Peste Bubônica

Postado por Lucas sábado, 4 de fevereiro de 2012 0 comentários

O que é?
A peste bubônica ou peste negra, também chamada simplesmente de peste, é uma doença
pulmonar ou septicêmica, infectocontagiosa, provocada pela bactéria Yersinia pestis,
que é transmitida ao homem pela pulga através do rato . A pandemia mais conhecida da
doença ocorreu no fim da Idade Média, ficando conhecida como Peste Negra, quando
dizimou 1/3 da população europeia na época.

Por que recebeu esse nome?
Recebia esse nome porque um dos sintomas da peste era o aparecimento de manchas e
inchaços nas axilas, virilhas e pescoço e estes eram chamados de bubões. O aparecimento
do bubão era certeza de morte.

Como começou a infecção?
A condição inicial para o estabelecimento da peste foi a invasão da Europa pelo rato preto
indiano rattus (hoje raro). O rato preto não trouxe a peste para a Europa, mas os seus
hábitos mais domesticados e mais próximos das pessoas criaram condições para a rápida
transmissão da doença. A sua substituição pelo rattus norvegicus, cinzento e muito mais
tímido, foi certamente importante no declínio das epidemias de peste na Europa a partir
do século XVIII.

A medicina e a peste
Foi somente quando aconteceu a Terceira Pandemia que começou a investigação científica
mais séria sobre a doença, por investigadores trabalhando na Ásia nos anos de 1890.
O francês Paul Louis Simond identificou a pulga dos roedores como principal vetor de
transmissão. Em 1894, em Hong Kong, o bacteriologista suíço Alexandre Yersin isolou
pela primeira vez a Yersinia pestis, e determinou o seu modo de transmissão, tendo sido
homenageado com a nomeação a partir do seu nome da espécie responsável.
Também em 1894 o médico japonês Shibasaburo Kitasato identificou independentemente
o bacilo responsável. A última epidemia de peste na Europa ocorreu na Ucrânia e Rússia
em 1877-1889, nas regiões da estepe (Urais e Cáspio). Graças às medidas de contenção,
 morreram apenas 420 pessoas. A localização da última epidemia é reveladora já que é
na estepe que se situa o reservatório de roedores que albergam a bactéria endemicamente.
Hoje em dia a peste não é um problema maior de saúde.

Diagnóstico
O diagnóstico é feito por recolha de amostras de líquido dos bubos, pus ou sangue e
cultura em meios de nutrientes para observação ao microscópio e análise bioquímica.

Prevenção
Evitar o contato com roedores e erradicá-los das áreas de habitação é a única proteção eficaz.
O vinagre foi utilizado na Idade Média, já que as pulgas e as ratazanas evitam o seu cheiro.
A peste é de comunicação obrigatória às autoridades. Contatos de indivíduos afetados ainda
hoje são postos em quarentena durante seis dias.

Tratamento
Os antibióticos revolucionaram o tratamento da peste, tornando-a de agente da morte quase
certa em doença facilmente controlável. São eficazes a estreptomicina, tetraciclinas e cloranfenicol. Tratamentos mais recentes vêm utilizando também a gentamicina e a doxiciclina
com resultados eficazes.

Notificação
A peste é uma doença de Notificação Compulsória internacional e deve ser comunicada
imediatamente, pela via mais rápida, às autoridades sanitárias. A investigação é obrigatória.

Glossário:

1. Septicêmica
Septicêmica vem de Sepse, que é uma infecção geral grave do organismo por germes patogênicos.

2. Germes Patogênicos
São germes causadores de doenças.

3. Rattus
As ratazanas (Rattus sp.), são mamíferos roedores, provavelmente originárias da Ásia, ou talvez da Índia ou da Pérsia. Pallas, naturalista do século XVIII, foi o primeiro a incluí-las na relação da fauna européia. Em finais do século XVIII atravessaram o Rio Volga e finalmente chegaram ao ocidente. Em 1728 alcançaram a Europa.

4. Rattus Norvegicus

O rato-marrom, rato-castanho, ou ratazana (Rattus norvegicus) é uma espécie de roedor que surgiu no Sudeste da Ásia, mas, devido à acção do homem, acabou por se alastrar pelo mundo inteiro. Chegou à Europa no século XVIII e à América no século XIX. Este rato tem hábitos semi-aquáticos. Encontra-se em pequenos grupos compostos por um macho e várias fêmeas. Constrói os ninhos em corredores subterrâneos.


Adaptado de Wikipédia

0 comentários:

Postar um comentário