Artrópodes

Postado por Lucas domingo, 3 de junho de 2012 3 comentários

Os Artrópodes (do grego arthros (ἄρθρον): articulado e podos (ποδός): pés ou patas)
são invertebrados que possuem um exoesqueleto rígido, e vários pares de apêndices
articulados, cujo número varia de acordo com as classes.

Compõem o maior filo de animais existentes, representados por animais como os
gafanhotos (insetos), as aranhas (aracnídeos), os caranguejos (crustáceos), as centopeias (quilópodes) e os piolhos-de-cobra (diplópodes). Têm cerca de um milhão de espécies
descritas, e estima-se que os representantes deste filo equivalem a cerca de 84% de todas
as espécies de animais conhecidas pelo homem.

Sua existência é datada nos registros fósseis desde o período Cambriano (cerca de 542 a
488 milhões de anos atrás), onde criaturas como as Trilobitas eram encontradas em
abundância nos oceanos. Algumas teorias sobre a origem deste filo sustentam que os
ancestrais dos artrópodes podem ter sido os anelídeos (vermes de corpo segmentado em
anéis) ou de algum outro ancestral em comum.

Ambientes:
Os artrópodes habitam praticamente todos o tipos de ambientes no planeta, sejam eles
aquáticos ou terrestres. Mesmo nos lugares mais inóspitos e sob temperaturas baixíssimas,
como nas geleiras da Antártida, é possível encontrar a presença dos artrópodes.

Alguns dentre a classe dos insetos, representam os únicos invertebrados que possuem
a capacidade de voar. Por exemplo a abelha e a borboleta, abaixo:


Também se encontram alguns que são parasitas e outros que apresentam características
simbióticas. Muitos destes animais estão diretamente ligados ao homem, seja por serem
utilizados como alimento, como também por causarem prejuízos na saúde e na agricultura.

Anatomia dos Artrópodes:
Os artrópodes têm apêndices articulados e o corpo segmentado, envolvido num
exoesqueleto de quitina. São as "patas articuladas" que dão o nome ao filo e que o separam
dos filos mais próximos, os Onychophora e os Tardigrada.

O exoesqueleto é uma camada de cutícula quitinosa que reveste externamente todo o
corpo dos artrópodes. Ele apresenta placas articuladas e contínuas. A presença de fenol
na placa a deixa mais rígida e com a cor mais escura.

Eles são animais metamerizados, isto é, têm corpo segmentado, mas sua metameria não
é tão evidente como a dos anelídeos; isso porque sua metameria é heteronôma: os
metâmeros (segmentos) diferenciam-se durante o desenvolvimento, alguns deles fundindo-se
para a formação de tagmas que, como nos insetos, são tipicamente:

- Cabeça
- Tórax
- Abdómen

Dentre as diferentes classes de artrópodes há casos em que dois ou mais tagmas se unem
formando uma única peça como é o caso de certos grupos de crustáceos em que os tagmas
cabeça e tórax se unem formando o cefalotórax.

Para poderem crescer, os artrópodes têm de se desfazer do exosqueleto "apertado" e
formar um novo, num processo designado muda ou ecdise(é uma troca periódica do
exoesqueleto, sendo o tempo e a quantidade de trocas variáveis de acordo com a espécie
e as condições ambientais).

Por fazerem mudas, eles fazem parte do clado Ecdysozoa, que é um dos maiores grupos
do reino animal, incluindo ainda os nematódeos, os Nematomorpha, os Tardigrada, os
Onychophora, os Loricifera, os Priapulida e os Cephalorhyncha.

Excreção:
Diferentemente de anelídeos e moluscos,a excreção dos artrópodes é realizada por
Túbulos de Malpighi,ou por glândulas especializadas, e não por nefrídeos.

Sistema Circulatório:
O sistema circulatório dos artrópodes consiste numa bateria de corações que se dispõem
ao longo do corpo e que bombeiam a hemolinfa, que se encontra banhando os tecidos.
Nos insetos, os pigmentos respiratórios estão ausentes.

Sistema Nervoso:
O sistema nervoso, de um modo geral, é como o dos anelídeos: gânglios cerebróides
anterior dorsal, seguido de um par de nervos ventrais, com um par de gânglios por segmento.
Porém nos artrópodes existe um alto grau de cefalização, o cérebro é formado pela
fusão dos gânglios cerebróides, e tem três regiões distinguidas: o protocérebro, o
deuterocérebro e o tritocérebro.

Reprodução:
Os artrópodes são geralmente dióicos (com fecundação interna) utilizando de apêndices
modificados para transferência de espermatozóides.

Glossário:

1. Quilópodes
Os quilópodes, centípedes ou centopeias são organismos da classe Chilopoda do filo dos
artrópodes que inclui centopeias e lacraias. São animais de rápida locomoção, carnívoros
e não se enrolam.

Quilópodes ou centípedes ou centopeias apresentam entre 15 e 191 pares de pernas
dependendo de espécie e tamanho. O número de pares é sempre ímpar e por isso nenhum 
tem exatamente 100, a maioria das espécies de centopeias de grande porte utiliza destas
patas como forma para mergulhar na terra, e como poucos insetos rastejantes, ela tapa o
buraco que faz na terra sempre ao passar, como forma de defesa.

2. Diplópodes
Diplópode (ou diplópodo, milípede ) é qualquer organismo da classe Diplopoda do
filo dos Artrópodes que inclui os embuás, piolhos-de-cobra e gongôlos.

Possuem um corpo cilíndrico, com um par de antenas, olhos simples e dois pares de patas locomotoras por segmento (que podem variar de 20 a 100) e seu sistema respiratório é
traqueal. Sua reprodução é sexuada. Todos os diplópodes são ovíparos (se desenvolvem
dentro de um ovo).

Os Diplópodes antigamente pertenciam à classe dos Miriápodes, junto com os Quilópodes. 
As diferenças entre as duas novas classes são que Quilópodes tem forcípulas (que 
inoculam veneno), Diplópodes tem antenas; Quilópodes são carnívoros, Diplópodes são 
herbívoros; Diplópodes são cilíndricos,Quilópodes são achatados; Quilópodes tem 1 par 
de patas por segmento, Diplópodes tem 2 pares de patas por segmento.

3. Trilobitas

Os trilobitas são artrópodes característicos do Paleozóico, conhecidos apenas do registo fóssil. O grupo, classificado na classe Trilobita da sub-classe Trilobitomorpha, é exclusivo de ambientes marinhos.
Os trilobitas possuíam um exoesqueleto de natureza quitinosa que, na zona dorsal, era impregnado de carbonato de cálcio, o que lhes permitiu deixar abundantes fósseis. Seu nome (trilobita) é devido a presença de três lobos que podem ser visualizados (na maior parte dos casos) em sua região dorsal (um central e dois laterais).

4. Simbiose
Simbiose é uma relação mutualmente vantajosa, na qual, dois ou mais organismos
diferentes são beneficiados por esta associação.
Há alguma indefinição nos conceitos associados a este termo. Assim, dever-se-á ter
presente que a simbiose implica uma inter-relação de tal forma íntima entre os 
organismos envolvidos que se torna obrigatória. Quando não existe obrigatoriedade
na relação, dever-se-á utilizar antes o termo/conceito protocooperação.

5. Onychophora
Onychophora (do grego: onyx, garra + pherein, possuir) é um filo de animais segmentados, bilaterais, vermiformes terrestres. Devido às muitas papilas na superfície do corpo, esses animais costumam ser denominados vermes-aveludados (velvet-worms).

Foram descritos pela primeira vez pelo Reverendo Lansdown Guilding em 1826 como uma espécie de lesma (molusco). Atualmente, estes organismos representam uma derivação dos Annelida.

6. Tardigrada
Tardigrada (do latim: tardus, lento + gradus, passo) é um filo de pequenos animais segmentados, relacionados com os artrópodes. Popularmente são conhecidos como ursos d'água ou como tardígrados, um aportuguesamento derivado do nome do filo. Foram descritos pela primeira vez por J.A.E. Goeze em 1773. O nome Tardigrada foi dado por Spallanzani em 1776. São em maioria fitófagos, mas alguns são predadores, como o Milnesium tardigradum.

7. Fitófago (Herbívoro)
No caso dos insetos que se alimentam de plantas ou de alguns dos seus produtos (como
as borboletas e outros animais que se alimentam de néctar, ou os mosquitos machos que
se alimentam da seiva), o termo utilizado é fitófago e não herbívoro.

8. Tagmas

Na anatomia dos invertebrados, um tagma (plural tagmata) é um grupo de segmentos especializados de artrópodes como, por exemplo, a cabeça de um inseto.

O corpo dos artrópodes é dividido em muitos segmentos, também conhecidos como somitos ou metâmeros que, primariamente, são similares. Esses segmentos se agrupam em divisões especializadas chamadas tagmas. Os segmentos de um tagma podem estar completamente fundidos ou não.

9. Clado
Em cladística, um clado ou clade (do grego klados, ramo) é um grupo de organismos originados de um único ancestral comum. Em biologia se chama clado cada um dos ramos da árvore filogenética.

10. Ecdysozoa
Ecdysozoa é um clado de animais protostômios que reune os artrópodes, nemátodes e
outros sete filos. Inclui organismos que têm de se desfazer do exosqueleto "apertado" e
formar um novo para poderem crescer, um processo designado muda ou ecdise.

11. Nematomorpha
Nematomorpha é um filo do reino Animalia, constituido por parasitas ecologicamente semelhantes aos nemátodos, que afectam insectos ou crustáceos. Os nematomorfos atingem cerca de 1 metro de comprimento, para apenas alguns milímetros de diâmetro.
O seu habitat preferencial são cursos de água lenta, lagoas e zonas pantanosas.

12. Loricifera
Loricifera (do latim lorica, couraça (usada pelos antigos soldados romanos); e do grego phora, portador de) é um filo, hoje geralmente aceito como pertencente ao superfilo Ecdysozoa. Seus parentes mais próximos provavelmente são os Kinorhyncha e Priapulida, juntos eles constituem o táxon Scalidophora.

Os três filos dividem quatro características em comum: cutícula quitinosa, anéis de escálidos no introverto, floscúlios, e dois anéis de retração do introverto. Um grupo chamado Introverta é formado com os Kinorhyncha, Priapulida, Nematoda, e Nematomorpha.

13. Priapulida
Priapulida (do grego priapos, falo + ida, sufixo plural) é um filo do reino animal que inclui os vermes marinhos que possuem uma probóscide espinhosa. Os primeiros registos deste grupo surgiram no Câmbrico. O seu nome provém do grego Priapus que significa deus fálico, seu nome vernáculo é priápulo, da ordem Priapulida.

Habitam sedimentos lamacentos e arenosos do fundo marinho. Como os nematodas, são os asquelmintos com maior volume de pseudoceloma.




14. Probóscide
Probóscide (ou probóscida) é um apêndice alongado que se localiza na cabeça de
algumas espécies de animais. Também pode ser sinônimo de tromba.

15. Cephalorhyncha
Cephalorhyncha é um grupo de invertebrados dulcícola pseudocelomáticos marinhos
consistindo a árvore do filo Kinorhyncha, Priapulida, Nematomorpha e Loricifera. Esse
membros possuem algumas características comum como fase larval parasita, e vida
adulta livre.

Possuem corpo extremamente longo e fino, com uma média de 20cm e diâmetro de 1 a
2mm, simétrico e não segmentado. A cabeça é ligeiramente clara. A fase adulta é de curta
duração e voltada para a reprodução. O tubo digestivo do adulto degenera e o animal passa
a não se alimentar.

Se movimentam através de movimentos ondulatórios e percorrem o corpo no plano
dorsoventral. São mais móveis do que as espécies de água doce ou semiterrestres. Podem
ser localizados em praias e água costeiras.

16. Túbulos de Malpighi
Os túbulos de Malpighi são os principais órgãos excretores dos insetos. Estão presentes em
número de dois até várias centenas. Cada túbulo desemboca no intestino, entre as porções
média e posterior, enquanto a outra extremidade termina em fundo cego e, na maioria
dos insetos, situa-se na hemocele.

17. Hemolinfa
No caso dos artrópodes o "sangue" na maior parte das vezes não contém hemoglobina,
baseada em ferro, mas sim, hemocianina, baseada em cobre.

Adaptado de Wikipédia.

3 comentários:

LonelyGirl disse...

Ótimo texto, bem completo, me ajudou em um trabalho de biologia (:

Pedro Simões disse...

Parabéns Lucas, muito interessante seu material!

O mundo de Gustavo disse...

Parabens otimo trabalho de pesquisa vc concretizou muito bem explicado

Postar um comentário